07 março 2017

Eurídice Rocha – desafio nº 116

Sem Deus, nem esperança
Vida de canseira… num segundo perde-se alma… Zé Júlio largou-se no passeio… as mãos fixaram sua cabeça… “que desespero! porquê eu?” procurou quando mirou a mercearia só vandalizada.

As crianças nem percebiam ferozes agressões… apenas miravam sôfregas a comida semeada pela rua. “Raio de vida”, carpiu.
Arriscou erguer aquela menina esmagada pelo polícia. Num giro brusco ficou endurecido a seu lado. Cara na cara, sofreu vazio no vindouro. No fundo da Rua do Prior sem fé… morreu!
Eurídice Rocha, 50 anos, Coimbra

Desafio nº 116 – Zé Júlio sem T nem H

Sem comentários:

Enviar um comentário