31 maio 2016

Café com Letras 4

4 - Partindo de frases impostas

O desfile

Antes do prólogo do desfile começar, o palanqueiro  deplorava aqueles plantígrados que devem andar em saltos altos numa plataforma desigual e nos tons prevalecentes do prelúdio de Bach. Uma pilha de pulverizadores serviu como cenário, atrapalhavam-se os convidados malparados. O estilista Ralph, e também livre-pensador, recusou uma passarela clássica. A sua colecção resplandecerá sem o resplendor dum ambiente de luxo plenário. Então, não esquisito, entre os convidados encontravam-se algumas limpadeiras da sala e suas proles.

Theo De Bakkere, 63 anos, Antuérpia, Bélgica

Desafio nº 107 - 10 palavras com PLR

P 765 – 31 Maio 2016

o programa em podcast na Rádio Sim

Mágica
Pensando em usar poderes ocultos na sala de aula – levantar a sobrancelha e todos sentarem, levantar os braços, como o maestro, e emudecerem. A palavra “atenção” faria com que aprendessem imediatamente a lição passada em seguida. “Escrevam” teria o poder de transformar alunos em escritores.
E, se levantasse a sobrancelhas, levantasse os braços, dissesse “escrevam” e mostrasse com os dedos o número “sete” por duas vezes, as redações apareceriam automaticamente perfeitas e em setenta e sete palavras.

Celina Silva Pereira, 65 anos, Brasília, DF
Desafio Escritiva nº 6 – poderes mágicos no corpo

O julgamento

O réu não dissera uma palavra até aí, ouvindo o que o juiz estava a proclamar com ar profissional. O advogado de defesa, o meu opositor, tentava atrapalhar o discurso, fingindo-se prestável. 
Mas eu bem sabia o que ele andava a planear. Via a grossa veia da sua têmpora a pulsar vigorosamente enquanto este observava o seu campo de batalha predileto.
Contudo, não é fácil explicar que ali muitos pensamentos traiçoeiros proliferavam entre os meus ingénuos colegas.

Inês Leitão, 12 anos, Porto

Desafio nº 107 - 10 palavras com PLR

Fada ou bruxa?

Com o nome inspirado em um conto de fadas, Rapunzel, preliminarmenteparecia uma garota comum. O olhar lânguido, jamais denunciaria o que planejara, seu advogado acusara um larápio qualquer do acontecido, mas ao preâmbulo do processo um testemunho afirmara que o relicário roubado portava um diamante gigante e as digitais dela. Não haveria parcialidadePlagiar o mesmo era impossível. Não adiantaria replicar. Nem tão pouco limpar marcas.
Nada, nem qualquer palavra a salvaria! Nem suas longas tranças!

Roseane Ferreira, Macapá, Amapá, Extremo Norte do Brasil

Desafio nº 107 - 10 palavras com PLR

Leviandade

A tua demonstração de leviandade está a ser convincente!
Que descaramento!
Tenho uma sensação de nostalgia de quando eras sensata, tinhas um brilho singular, rosto pálido e ingénuo.
Achas que és um deslumbramento?
Podias desfrutar da vida, ter uma postura adequada, ser uma figura incontornável da nossa sociedade!
Para não te desmotivares segue no encalço de uma madrugada romântica, deixa-te de desculpas esfarrapadas.
Deixa o sedentarismo age com desportivismo.
Domesticar na penumbra, pensativamente, ardilosamente, rir às gargalhadas.

Cristina Lameiras, 50 Anos, Casal Cambra

Desafio nº 106 – palavras com M T D S R O (neste caso, sem ordem alfabética)

O lápis adormecido

Inesperadamente, o lápis rolou deslizando pelo seu regaço. Atento, sem que ela visse, apanhou-o e, discretamente, escondeu-o dentro do sobretudo. Há algum tempo que a observava. A leitura do livro era acompanhada de pequenas notas. Viu-a pousar o livro enquanto procurava o lápis. Precipitadamente, ela entrou no autocarro que acabara de chegar. Não podia perdê-lo. Não tinha outro transporte. Anos mais tarde, o destino juntou-os. No primeiro aniversário, ela encontrou o lápis adormecido no seu livro preferido.

Desafio RS nº 37 – o lápis caído no chão

Amélia Meireles, 63 anos, Ponta Delgada

Falta de Material

Eu tinha um lápis único! Ninguém na minha escola tinha um igual. Mas, certo dia, caiu da minha secretária e rebolou até outra. Quando percebi, deixei de o ver. Fiquei tão triste!… Nesse mesmo dia, um miúdo viu o meu lápis e, com alguma inveja, ficou com ele. Passaram dias… Devido às faltas de material, pedi um emprestado… e não é que foi o meu que me foi dado??!! Fiquei tão magoado!… Mas feliz por recuperá-lo!   
André Ribeiro, 11 anos, Colégio Andrade Corvo, Torres Novas, prof Maria Nicolau
Desafio RS nº 37 – o lápis caído no chão

Quem sabe?!

Como seria o mundo se todos fossem honestos, sinceros, solidários e outras coisas mais. Percebo que as pessoas, muitas vezes, só por ameaça de serem descobertas ou, pela possível sanção, são corretas! Se tivesse que inventar algo? Fácil! O ser humano seria transparente e todas as suas atitudes menos boas causariam um efeito colorido no corpo. Os mentirosos ficariam vermelhos. Os corruptos, laranjas, etc. As pessoas esforçar-se-iam para serem melhores? Quem sabe?! Pois, mas… e a liberdade? 

Desafio Escritiva nº 8 - invenção que muda o mundo

Amélia Meireles, 63 anos, Ponta Delgada

30 maio 2016

Programa Rádio Miúdos 57 – 30 Maio 2016

Esta foi a história que lemos na Rádio Miúdos neste dia!
É a rádio mais fantástica que há!

O pássaro
Certo dia, um rapaz chamado Manuel pediu à mãe um pássaro, com um sorriso. A mãe, ouvindo o pedido dele, comprou-lho.
Chegaram à loja e Manuel ficou espantado com tanta variedade de pássaros! Mas houve um que lhe chamou a atenção: tinha penas cinzentas, bico laranja e era grande.
Levaram-no para casa. Deixaram-no perto da caldeira, e aquilo pegou fogo. Manuel chegou a casa, e viu que só sobrava uma pena do pássaro. Ele ficou muito triste!
Tiago Pereira, 6ºC, Escola Dr. Costa Matos, Gaia, prof Cristina Félix
Desafio nº 1 – palavras impostas: pena, sorriso, fogo

Programa Rádio Sim 764 – 30 Maio 2016


o programa em podcast na Rádio Sim

Vera Viegas na maratona de Londres
Londres, 24 de Abril de 2016 – Minha primeira Maratona:
– Dorsal colado
– Ténis apertados
– Chip nos atacadores
– Vaselina por todo o corpo
– Géis e barritas q.b.
– Amigos e Família PRESENTES em corpo e/ou espírito
– Temperatura ótima
– Medo e Coragem em percentagem igual.

Partida – Adrenalina no auge.
Primeiros 25 km “passam a correr”. Que ambiente!!!
Depois uma mistura de:
– Felicidade
– Cansaço
– Dúvidas
– Emoção
– Mente a comandar o corpo
– Êxtase

Meta: 42 km: I did it! Superação! Que sensação indescritível! 

Vera Viegas, 32 anos, Penela da Beira
Desafio Escritiva nº 7 – as listas

Vencedor

! – ordenou Policarpo, a partir da poltrona.
As pálpebras tremiam-me, ao mesmo tempo que o seu palavreado predileto preenchia o ar, achincalhando-me, impedindo-me de pleitear. Sentia-me como se estivesse no pelourinho, sob o olhar penetrante do julgamento.
«Desta vez, não vou ouvir calado», pensava, porém a boca permanecia fechada.
Quando, por fim, se calou, encolhi os ombros, soltei um palavrão e atirei com a porta. Palavras para quê? Estendi-me à sombra da palmeira e, sentindo-me vencedor, sorri.

Quita Miguel, 56 anos, Cascais
Faça aqui o download do livro infantil «O Chapéu-de-chuva às Bolinhas» http://ow.ly/ZtAG0

Desafio nº 107 - 10 palavras com PLR

Emoções positivas

Na estrada da fé, quebrantada pela experiência, repleta de amor.
Emoções positivas, afeto de um abraço, expansão das palavras.
Contemplar silêncios era flor que respirava esperança.
Nobreza, esplendor que mostrava maturidade.
Humildade, vestida de plural coragem.
Na plataforma dos sonhos, não eram suplantados.
Planejaram tornam o agradecer mais fácil do que reclamar.
Nem a agressão irá aplaudir a tristeza.
Outrossim, os sonhos voam rápido, vão na frente do plenário.
Simplórios, tornam-se o quádruplo do que fora planejado.

Renata Diniz, 40 anos - Itaúna/Brasil
Desafio nº 107 - 10 palavras com PLR


A Borracha Cor-de-Rosa

A menina andava na escola como tantas outras, não todas, que o mundo é ingrato.
Sorria pouco.  Era baixa.  Troçavam dela.
Certo dia, foi proposto à classe a feitura duma redacção sobre uma ideia que modificasse o mundo.  A menina pensou:  uma borracha cor do amor que apagasse, à nascença, todas as maldades.
Lida a sua história, a assembleia rendeu-se.
A menina, feliz, cresceu dentro e fora dela.  Agora já era alta!
A borracha cor-de-rosa a cumprir-se...

Elisabeth Oliveira Janeiro, 71 anos, Lisboa

Desafio Escritiva nº 8 - invenção que muda o mundo

A invenção

Cansada de tanta sujidade, meti-me no laboratório. Entre pipetas e tubos de ensaio mexia-me com destreza e rapidez.
Em três dias, ali estava ele. O spray anti-nódoas. As más línguas dizem que já foi inventado. Enganam-se, este é especial.
Serve para tudo. Tecidos, fogões, paredes... Basta pulverizar quando o artigo está limpo e nunca mais vai ter de o esfregar.
Testado o produto, meteu-se à venda.
Mas apareceu um problema, não anotei o que usei para o produzir!

Carla Silva, 42 anos, Barbacena, Elvas

Desafio Escritiva nº 8 - invenção que muda o mundo

Desafio nº 107

Vamos lá brincar com as letras.
Descubram muitas palavras que contenham as letras PLR
É bom serem muitas, para depois termos mais hipóteses...

Agora, vamos escolher 10 e escrever um texto com 77 palavras!

Eu escolhi estas e escrevi assim:
Poderia ser uma palestra interessante, com palavras inspiradoras, mas o palerma não prestava. Do pelouro da cultura e uma pérola do absurdo?! Eu já estava a planear atirar-lhe algo à cara, mas o relâmpago assustou-me. As paredes tremeram, a plateia também, num alvoroço plural engraçado. Ele já não continuou. Veio o das finanças. Ainda pior! As tolices brotavam da sua boca como réplicas quase perfeitas do outro. Que repulsa senti! Agarrei na pasta e abandonei o congresso.
Margarida Fonseca Santos, 55 anos, Lisboa

Desafio nº 107 - 10 palavras com PLR

28 maio 2016

Só eu sabia porquê

Uma vez, na escola, sem querer, deixei cair o lápis ao chão da sala.
Rapidamente, alguém o apanhou. Fiquei aflito, corado, só eu sabia porquê.
O tempo passou…
Cresci, fiquei adulto, casei. Na noite de núpcias, a minha noiva, sorrindo, mostrou-me algo que reconheci imediatamente: aquele lápis!... Rolei-o entre os dedos até encontrar uma pequena frase dizendo: "Rafael ama Joana". Rafael sou eu. Joana é a minha noiva que, já em tempos de escola, eu tanto amava.

Domingos Correia, 58 anos, Amarante

Desafio RS nº 37 – o lápis caído no chão

27 maio 2016

Programa Rádio Sim 763 – 27 Maio 2016


o programa em podcast na Rádio Sim

Enquanto pais...
Enquanto pais, na correria do dia-a-dia, nem sempre temos tempo para construir memórias. Construir memórias daquelas que ficam intrinsecamente marcadas e que o tempo não consegue apagar. Não consegue apagar o cheiro do café com leite que a nossa mãe fazia para o lanche no regresso da escola. No regresso da escola aquele abraço que nos acolhia e confortava. Acolhia e confortava uma outra realidade que agora, enquanto pais, importa recuperar e ter tempo para construir memórias.

Luís Miguel Reis, 43 anos, Cascais.
Desafio nº 63 – fim de cada frase é igual ao início da próxima…

A professora de História

História que estudei,
Com fama de maçadora,
Tornava-se um encanto
Com a minha professora!

Era uma narradora,
Como eu gostava de ser…
E «bebia», sonhadora,
Essa História a valer!

Também quis ter esse jeito,
Empolgar a audiência,
Mas fiquei com o direito
De ter gosto na ciência!

Somos sempre diferentes
A contar factos reais,
Nem usando as mesmas lentes
Vemos as coisas iguais!

Essa minha professora
Coloriu a aguarela...
Da «História maçadora»
Pintou sonhos numa tela!

Maria do Céu Ferreira, 60 anos, Amarante

Desafio nº 2 – “Sempre quis ser uma história”, palavras obrigatórias por ordem inversa

Damascos

Deliciosos eram os damascos, que pareciam querer dançar com as dálias, que enfeitavam a 
mesa metalizada, oval, não oculta, onde nela reluziam como rosas viçosas parecendo que nos saudavam e assim nos seduziam, eram sedosos, um sonho sonhado.
Timidamente toquei-lhes e ternamente, comi alguns, pude verificar que eram muito tenros.
Tempos houve em que trepava ao damasqueiro para colher estes esplêndidos frutos que nos faziam crescer água na boca, tão bons, que me tentaram, e comi tantos.

Maria Silvéria dos Mártires, 69 anos, Lisboa

Desafio nº 16 – uma palavra que define todo o texto

26 maio 2016

Programa Rádio Sim 762 – 26 Maio 2016


o programa em podcast na Rádio Sim

O sonho que é a Vida dos srs. Espanto
O srs. Espanto são crianças eternas. Uma certa ingenuidade nunca lhes falta.
Habitam sonhos acordados sem telhados. Desejam que sol, chuva, folhas secas, bichos voadores lhes entrem p’la casa adentro.
Vivem sempre com um olho aberto mesmo com o outro fechado.
Nada lhes escapa nas cores e nos movimentos das paisagens.
Suas lágrimas são resolução de medos.
Os srs. Espanto alimentam-se de criatividade e reutilização de (des)llusões
Nós, Espantados, somos espantalhos de pessimismos e abraçamos a procrastinação.
Rita Caré, 39 anos, Carcavelos
Desafio RS nº 34 – frase de Mia Couto


A boa memória

Esta história tem uma muito boa memória. 
Numa bela tarde de Verão, estava uma menina sentada a desenhar com o seu lápis favorito, o qual foi oferecido pelo pai. A menina, distraída, deixou cair o lápis que rebolou pelo passeio e, sem reparar, foi-se embora. Um rapaz, que gostava dela, passara por ali, guardando a esperança de o poder devolver. Passaram-se, entretanto, vinte anos. Encontraram-se novamente. Devolveu-lhe o lápis e apaixonaram-se. 
Esta memória transformou-se numa bela história.
Miguel Clemente, 12 anos, e Rúben Shan, 13 anos, Colégio Andrade Corvo, Torres Novas, prof Maria Nicolau
Desafio RS nº 37 – o lápis caído no chão

25 maio 2016

Programa Rádio Miúdos 56 – 25 Maio 2016

Esta foi a história que lemos na Rádio Miúdos neste dia!
É a rádio mais fantástica que há!

Aventura brilhante
Benasque um vale tranquilo, bestial a olhar a branca neve de Cerler. 
Brincadeiras a esquiar com bastões e esquis a baralhar e atrapalhar. Uma boa e nova experiência! 
Bateu o frio gelado bem no nariz arrepiado. 
Bonecos de neve fiz brincando com os amigos. Bolas de neve voaram batendo na cabeça e barriga do mais distraído. 
Bateu o corpo na branca neve e doeu bastante, mas a adrenalina bateu no coração a bombear.
Viva a aventura brilhante!

Matilde Rodrigues, 11 anos, Torres Vedras
Desafio RS nº21 – de 3 em 3 plvrs 1 começada em B


24 maio 2016

Programa Rádio Miúdos 55 – 24 Maio 2016

Esta foi a história que lemos na Rádio Miúdos neste dia!
É a rádio mais fantástica que há!

O fogo!
Era uma vez uma família de homens das cavernas que vivia com diversos problemas na sua caverna. Era muito fria e escura. Todos tinham pena deles.
Um dia fartou-se disso e ao ver os vizinhos sem problemas, espiou-os mas eles descobriram logo e frustrados descarregaram uns paus à porta da caverna.
De repente, viu-se uma labareda enorme: eles tinham descoberto o fogo! O que facilitou muito as suas vidas e ficaram todos com um sorriso na cara. 

Alberto Ramos, 6ºC, Escola Dr. Costa Matos, Gaia, prof Cristina Félix
Desafio nº 1 – palavras impostas: pena, sorriso, fogo

Máquina da Paz

Sonhar é fácil. Mas quase sempre temos sonhos impossíveis. Tive um Pai sonhador. Sonhava com África. Dizia que seria lá a nossa casa quando houvesse guerra por aqui. Afinal tudo não passou de um sonho desfeito. Agora a guerra é lá, é cá, é para onde o vento a levar.
O que eu gostaria, se fosse um inventor, seria de fabricar a Máquina da Paz. Para que nós todos pudéssemos chamar Casa a qualquer lugar do Mundo!

Isabel Lopo, 70 anos, Lisboa

Desafio RS nº 37 – o lápis caído no chão

Um pouco de ti

Escrevi-me entre uma palavra e outra, como se escrever-me pudesse salvar a minha alma daquelas palavras que já não diziam nada. No pensamento o dia de ontem, com o seu nevoeiro e a sua solidão que tanto se arrasta, mas por que tanto ansiava. Escrevi-me, como se escrever-me pudesse salvar-me de mim própria naquele fim de mundo e como se, ao reler aquelas palavras pudesse ler também um pouco de ti. Foi por isso que me escrevi.

Anabela Risso, 24 anos, Évora

Desafio nº 100 – «e foi por isso que me escrevi»

Programa Rádio Sim 761 – 24 Maio 2016


o programa em podcast na Rádio Sim

A tua voz
Não mais, nem
menos. Quatro letrinhas apenas,
a rir.
Podem sentir, sorrir, dormir.
O bibe da Sara é rosa
botões soltos redondinhos
doce flor ao sol,
Quando passeio neste recreio.
Já sei ler
Escrever, também contar, saltar quando brincar
Só não sei
desenhar nuvens brancas.

Já sei o A o B até o Z
Zumbido, postigo, formigo, lagarto pintado.
Olha bem para mim mãe.

Oiço a tua voz que me toca
Quanto encanto, entoando solene neste coração.

Alda Gonçalves, Porto, 48 anos
Mais textos aqui: www.macadejunho-mafaldinha.blogspot.com
Desafio RS nº 35 – até 4 letras, mais de 4