30 setembro 2015

Um curto tempo

Sentia-se abençoada pelo destino e ao mesmo tempo tão desfraldada. Viveram quase dois intensos anos de um amor profundo. O pouco tempo que José viveu foi tapetado pela dor constante que lhe tolhia os movimentos. Só aquele sorriso permanente nos lábios, solto a cada chegada, fazia esquecer o curto tempo que lhes estava destinado. Viveram cada dia como se mais mundo não restasse. Partiu ficando para sempre nas suas lembranças. Foram quase felizes, num sempre muito pequeno.

Amélia Meireles, 62 anos, Ponta Delgada

Desafio nº 79quase felizes, num sempre muito pequeno

Sem comentários:

Enviar um comentário