24 outubro 2014

Camélia

Camélia era a vaca mais amada da aldeia.
Nunca bebi leite sem ser da Camélia.
Dá saúde, dizia a minha mãe.
Faz crescer acrescentava a tia Teresa.
Eu adorava aquela vaca, era meiga, amiga, paciente...
Escutava sem fazer cara feia, às vezes dizia MUUU, mas era a sua linguagem, eu ria.
Ninguém sabia quem era a Camélia, apenas as duas, eu e ela.
Um dia a Camélia desapareceu, berrei, gritei...
E assim desapareceu a minha amiga Camélia.

Goretti Pina, 52 anos, Odivelas

Desafio nº 76 – escrever sem a letra O

Sem comentários:

Enviar um comentário