04 março 2013

Relembrando Maria Judite de Carvalho


Corro nas asas do tempo. A vida impõe-se como um tricô fértil de momentos, de malhas caprichosas e fugidias. Sinto esvoaçar o que me prende aos trilhos que experimento, mas sei hoje, somos pássaros que se entregam a voos rasantes, e agulhas, são as horas que me separam do meu destino. Tinham-me dito que recomeçado o caminho não poderia voltar atrás, e que chegada a hora me seriam cortadas as amarras. Sim, mas serei para sempre saudosa.  

Sandra Évora, 40 anos, Loures

“As agulhas do tricô tinham recomeçado a esvoaçar como pássaros de asas cortadas.”
Maria Judite de Carvalho em «O Jornal», 2-10-81

Sem comentários:

Enviar um comentário