30 agosto 2016

Mister Been

Mister Been seguia no seu bonito mini. Enquanto, fazia a manicure para viajar até à Nigéria. Queria também banhar-se no Nilo e conhecer uma menina egípcia.
Sentia-se menino livre, frenético, como passarinho fora do ninho. Mas, quando consultou o seu bonito GPS, deu-lhe o fanico porque descobriu que era preciso viajar de barco. Been fanicava, ficava em pânico, se andasse de barco. Inimaginável como sempre, pendurou o carro num balão de hélio e lá seguiu todo animado.
Domingos Correia, 58 anos, Amarante

Desafio RS nº 40 – 14 palavras com a sílaba NI

Desafio nº 110

Hoje, dou-vos uma série de palavras impostas, 
sabendo que a ordem pode ser livre (de outra forma, eu já estaria em perigo de vida…).

Quais as palavras?
Pois, aí é que está o problema, são estas:

PROBLEMA    SOLUÇÃO    REFÚGIO
MARTELO    ROSA    ESPINHO
TRATADO    DESMEMBRADO

Experimentem! Eu escrevi assim:
Sentia-se uma rosa desmembrada, sem espinhos. Dantes, parecia um jardim. Não um jardim qualquer, não, um bem tratado, de canteiros organizados e cores suaves. Fora um jardim feliz. Agora, parecia não ter solução. Acumulava memórias e silvas, num problema de daninhas destruidoras. Quando o viu chegar, estava já sem forças. Viu-o pegar num martelo, marcando com uma tabuleta o seu refúgio. Dedicou, então, o resto dos seus dias a reconstruir o jardim feliz que ela sabia ser.
Margarida Fonseca Santos, 55 anos, Lisboa
Desafio nº 110 – 8 palavras obrigatórias

29 agosto 2016

Programa Rádio Miúdos 95 – 29 agosto 2016

Esta foi a história que lemos na Rádio Miúdos neste dia!

É a rádio mais fantástica que há!

Greve geral
Numa ótima tarde, Valentina tomou chá e foi trabalhar. Quando chegou lá, sentiu uma fome! Pegou um pão, colocou na torradeira. 
E então percebeu... A bela torradeira estava em greve! 
– Mas como isso?, disse Valentina, assustada. – Como vou comer?
Então ela pensou: – O fogão industrial, mas é claro!
Então ela foi. Quando chegou lá, também em greve! Ela tentou tudo. Não houve sucesso!
Chegando em casa, ela pronunciou interiormente: – Funcionem de volta!
Abriu os olhos e acordou.
Karla Cristina, 15 anos, Centro Educacional do Lago, Brasília, Brasil, prof Celina Silva Pereira
Desafio Escritiva nº 2 – greve na cozinha

Ousa...

Relação complicada, a deles. Hábitos enraizados, velhas manias, nenhum dos dois mudava. Ela afogava a raiva no piano (e nos chocolates!); ele lançava a fúria ao mar, na praia em horas desertas. E o mar ripostou. A garrafa chutada pela onda nervosa bateu-lhe nos pés molhados. Lá dentro, um papel. Leu:
“Queres conhecer a felicidade?
Começa por te aperfeiçoares interiormente. Procura dentro de ti. Aprende a encontrar. Sê aquilo que buscas no outro. Cria. Sonha. Ousa mudar.”
Ana Paula Oliveira, 56 anos, S. João da Madeira

Desafio Escritiva nº 11 – mensagem na garrafa

Programa Rádio Sim 829 – 29 Agosto 2016

OIÇA aqui
o programa em podcast na Rádio Sim

Chico...
– Ó doutor! Estou com dor de sentimentos,
Fecho os olhos e vejo-o.
Fecho os ouvidos e ouço-o.
Nem como nem durmo.
Ó doutor! Socorre-me deste vício.
Porque morro de desejo.
Tem enormes olhos meigos,
e quero mexer-lhe com os dedos.
Só um beijo dele e sinto-me feliz.
Sem êxito, o vidro protetor impediu-o.
– Ó doutor! Socorre-me desse esquisito impulso.
E o médico perguntou:
– Quem é esse benzinho irresistível que te perturbou?
– É Chico, o bonobo do zoo.
Theo de Bakkere, 63 anos, Antuérpia, Bélgica
Desafio RS nº 39 – história de amor sem A!

As 77 palavras foram às Palavras Andarilhas!

É verdade! O tema dos micro-contos foi dominante, e as 77 palavras fizeram magia.
Aqui fica a imagem das caixinhas mágicas.
Com textos de:  Isabel ZambujalPatrícia ReisSusana Amorim,Inês Do Carmo, José Jorge Letria, M João Lopo Carvalho, Teresa Meireles, Ana Paula OliveiraIsabel Mendes de AlmeidaAlda Goncalves, Paula Isidoro, Elisabeth Oliveira Janeiro, Clara Lopes, Sandra Évora, Theo de Bakkere, Carla SilvaMaria Amélia Meireles, Paula Coelho Pais

Obrigada, Palavras Andarilhas, foi um prazer estar convosco, como sempre.


A minha alma...

Chico, o ardina, tinha 77 anos, cada um dos quais vividos agarrado à sua sacola inútil.
Quando a roubaram num dia nublado, Chico gritou por socorro com toda a sua voz.
Muitos acudiram, mas a sacola não voltou ao dono.
Chico nunca mais voltou a si.
“Roubaram um bocado da minha alma!”, dizia ao choramingar rua fora.
Choramingou por todos os dias futuros a sua antiga sacola vazia.
“A minha vida ficou vazia agora”, dizia baixinho, saudoso.
Anabela Risso, 24 anos, Évora

Desafio nº 86 – Chico ardina sem E
No velho e amassado papel de pão, um pouco engordurado, escrito com tinta cheia de falhas, dizia assim: "Caso-me amanhã por um amor inexplicável e impossível, amo desde tantas outras vidas o filho da mulher que desposarei. Sei que será um amor impossível, pois que ele ama devotadamente sua esposa. Ainda assim ficarei perto, isso me consola."
Sentada na areia Ana divagava, por que alguém faria isso? Pelo simples prazer de contar?  Para desabafar com um desconhecido?
Roseane Ferreira, Estado do Amapá, Macapá, Extremo Norte do Brasil

Desafio Escritiva nº 11 – mensagem na garrafa

O Colar

Nina tinha a tida certeza que o colar estava no cofre.  As ideias andavam baralhadas, mas um nico de nitente memória resistia.  A irmã teimava, ela desanimava, mas logo manifestava uma grande confiança.  Os seus domínios, os pertences, conhecia-os bem, especialmente aquele bonito adereço.  Não se tratava de ninharias, mas duma magfica peça de estimação.  Procurava, porfiava e nicles, o que a fazia suspeitar da maninha.
Tinha razão, e a menina acabou por surpreendê-la no seu aniversário!!!
Elisabeth Oliveira Janeiro, 71 anos, Lisboa
Desafio RS nº 40 – 14 palavras com a sílaba NI

Projeto Autoria CEF 04 - Brasil

Um desafio que vamos abraçar com muito carinho!

Vejam todo o trabalho feito em Brasília, na Sala de Português.

Aqui fica o link para desvendar este projecto:
http://saladeportugues-cel.blogspot.pt/2016/08/autoria-cef-04-parceria-com-historias.html

28 agosto 2016

77x77 - Isabel Perestrelo

Darling
Fui neta, fui filha, sou mãe, SOU AVÓ.
Darling foi magia pura.
Num segundo saboreei o ter tido Avós e Pais, cuidadores, carinhosos, exigentes e mesmo intransigentes... que alicerçaram parte de mim.
Responsabilidade, ternura, orgulho, impotência, carinho, frustração... São parte do amor incondicional por filhos e netos.
Ouvir que se gosta de um AVÔ pelo que era e nos marcou é Esperança
Ouvir que se gosta ainda mais por ter sido o Darling da AVÓ é magia.

26 agosto 2016

Programa Rádio Miúdos 94 – 26 agosto 2016

Esta foi a história que lemos na Rádio Miúdos neste dia!

É a rádio mais fantástica que há!

Dia de bagunça 
Dia de bagunça – perdi o meu amante das mãos. Naquela bagunça o meu lápis rolou, caiu no chão. Naquela aflição tentei resgatá-lo, mas a meninada não deixou-me encontrá-lo. Foi como se alguém o apanhasse e guardasse. Espero que o ame como eu amei, nos estudos e nos exames. Tempo passou, já me aproximando da vida adulta, quando, transbordando do bolso do meu colega, caiu nas minhas mãos, revelando da escuridão uma alegria que se escondia em mim.
Danielson dos Santos Pinto Fernandes, Santiago, Cabo Verde, Inst. Jean Piaget, prof Maria Teresa Cardoso 
Desafio RS nº 37 – o lápis caído no chão

Programa Rádio Sim 828 – 26 Agosto 2016


o programa em podcast na Rádio Sim

Amigos... 
Aconselho amigo, não feches o postigo, e não é que é mesmo, existem aqueles amigos que sabemos que podemos contar e que sabem sempre dizer aquela palavra, dar aquele que conselho que nos dá força para seguir em frente, mas tambem há aqueles que nos dão conselhos só para nos prejudicar, por isso dizem-nos coisas que não são realmente aquilo que pensam, tapando o sol com a peneira, e assim nos enganam... Amigo disfarçado, inimigo dobrado.
Patrícia Quaresma, 23 anos, Vila Verde de Ficalho 
Desafio nº 90 – com provérbios contraditórios

Tua ausência

Insisto em beber café na mesma pastelaria.
Sento-me e a empregada traz o café com o pastel de nata, costume duma vida!
Vida que durou dez anos, pois foi o tempo que senti que realmente vivia.
Olho a chávena, faz dois anos que partiste e ainda dói ver apenas uma chávena na mesa.
Levanto a vista húmida pelas lágrimas, a pastelaria está cheia, mas o facto de não estares deixa um sentimento de solidão que corrói por dentro.
Carla Silva, 42 anos, Barbacena, Elvas
Desafio nº 109 – solidão no meio de gente