13 fevereiro 2018

Jorge do Campo Ferreiro ― escritiva 22


Embora tenha decorrido muito tempo, lembro-me perfeitamente do que aconteceu. Numa esquina do quarto havia um objeto quadrado.
O minibar ficou vazio ao fim de pouco tempo. Quase vazio. No dia da partida caminhávamos em direção à saída quando se ouviu um barulho indescritível. Vi o líquido a derramar-se. Fiquei surpreso.
— E então não ia pagar? ― disse a rececionista.
Apesar do incómodo da situação, consegui tirar partido dela: agora evito aproximar-me demasiado dele para fugir às tentações.
Jorge do Campo Ferreiro, 22 anos, Universidade de Santiago de Compostela, prof Carla Amado
Escritiva nº 22 ― apanhado em flagrante


Sem comentários:

Enviar um comentário