31 agosto 2017

Isabel Lopo ― desafio nº 124

SUPER-LULA parece ser aquilo em que te transformaste.
Para mim, és apenas UMA imagem assustadora.
PARECES ter muitos braços e enormes tentáculos.
E sonho que me SUFOCAS com o teu desamor.
Sonho que ME encerras no teu pequeno mundo inexistente.
Já QUASE não rio, não choro e não falo...
Destruíste o meu ESPAÇO e a minha liberdade.
Tenho saudades DE pensar que o amor perdurava pelo tempo...
PRECISO de ti como eras e não mais deste pesadelo!
Isabel Lopo,71 anos, Alentejo
Desafio nº 124 ― és uma super-lula!

Frase: Preciso de espaço, quase me sufocas, pareces uma super-lula

Fernando Morgado ― desafio nº 124

Mal me pareces, tão demo como a super-lula.
Uma super-lula esconsa e faminta, ameaçadora e voraz.
A tua morte é a sorte do xilreu.
Como pitéu de boa mesa, como-te até me saciar.
O demo maldito às ordens do meu talher.
Partilho com um Borba branco o teu tão delicioso sabor.
Já não és o que pareces em pleno alto-mar.
E não me enganas tu; prefiro-te ao tofu.
Com o teu mal me regalo eu. Bom apetite.
Fernando Morgado, 62 anos, Porto

Desafio nº 124 ― és uma super-lula!

Helena Pereira ― desafio nº 124

Frase: Mãe, foste o meu porto de abrigo, agora és uma super-lula!
Super-lula, és minha esponja.
Uma esponja que me absorve nesses tentáculos,
Foste, és, serás sempre minha Mãe, a minha super-lula!
Agora já não estás, no céu vejo constelações de super-lulas…
Estrelas como abrigo em dias cinzentos,
Nesse céu de esperança de um amanhã melhor.
Olho o porto, os barcos regressam…
Trará o meu uma super-lula?
Não, o meu viaja nos sonhos…
Hoje foste de novo o meu porto de abrigo!
Um beijinho, Mãe, onde quer que estejas…
Helena Pereira, 44 anos, Seixal

Desafio nº 124 ― és uma super-lula!

Theo De Bakkere ― desafio nº 124

O imperador
Talvez não te importes, mas nem UMA palavra decente sai da tua boca
Quando falas, PARECES mais um sofredor de Tourette.
Mas TU não me sabes enganar, és só mal-educado.
Porquê não mostras MAIS modéstia em público?
Mas não, outra VEZ não conseguiste reconciliar pontos de vista.
Ao contrário, provocaste indignação geral com CADA palavra falada.
ORA, há pessoas que te comparam ao versátil imperador Nero, o incendiário.
Na realidade, és apenas uma arrebicada SUPER-LULA com megalomania.
Theo De Bakkere, 65 anos, Antuérpia, Bélgica
Desafio nº 124 ― és uma super-lula!
Theo De Bakkere ― desafio nº 124

A frase: Super-lula, ora cada vez mais tu pareces uma

Quita Miguel ― desafio nº 120

Coragem para mudar
– Muito bem – concluiu Florêncio, olhando-se ao espelho e jurando mudar de vida.
A doença que lhe fora diagnosticada, mostrava como havia desperdiçado a vida. Há mais de 30 anos que fazia o que odiava, convivia com quem não lhe interessava e calava muitas das verdades que queria gritar.
Colocou o boné e enfrentou o sol quente do Alentejo, em busca do barro que a sua criatividade iria moldar.
Quanto tempo iria viver? Não sabia, mas seria feliz.
Quita Miguel, 57 anos, Cascais
Desafio nº 120 ― reencontrar o caminho sem V nem F
Faça aqui o download do conto «Sonho Esventrado» 

30 agosto 2017

EXEMPLOS - desafio nº 124

ESTÁS ENGANADA, SE ACHAS QUE PARECES UMA SUPER-LULA
O meu sonho, é ser uma SUPER-LULA, viver uma vida feliz, UMA vez que poderia abraçar os que amo com os meus tentáculos.
PARECES admirado com as minhas idílicas, mas sinceras, palavras.
Ris-te do meu sonho, ACHAS descabido, impossível.  QUE é feito do homem por quem me apaixonei?
SE voltasse atrás, enfrentava os medos, lutando pelos meus ideais e sonhos.
Agora não vivia ENGANADA na falsidade das tuas palavras.
ESTÁS satisfeito agora, a verdade dói, não dói?
Natalina Marques, 58 anos, Palmela

De qualquer forma pareces uma super-lula, sem dúvida.
Dúvida nunca teve.
Sem nada para fazer durante as férias, só lhe restava inventar histórias.
A da super-lula demorou mais tempo a inventar, talvez por não gostar de lulas à marinheiro.
Uma vez quase sentiu os tentáculos a apertar os dedos enquanto escrevia.
Mais pareces um daqueles contadores de histórias medievais com um chapéu de meia-lua.
A forma de divertir a corte nos salões durante a idade média.
E qualquer um tinha acesso à brincadeira.
De facto!
Alda Gonçalves, 49 anos, Porto

O imperador
Talvez não te importes, mas nem UMA palavra decente sai da tua boca
Quando falas, PARECES mais um sofredor de Tourette.
Mas TU não me sabes enganar, és só mal-educado.
Porquê não mostras MAIS modéstia em público?
Mas não, outra VEZ não conseguiste reconciliar pontos de vista.
Ao contrário, provocaste indignação geral com CADA palavra falada.
ORA, há pessoas que te comparam ao versátil imperador Nero, o incendiário.
Na realidade, és apenas uma arrebicada SUPER-LULA com megalomania.
Theo De Bakkere, 65 anos, Antuérpia, Bélgica

Mal me pareces, tão demo como a super-lula.
Uma super-lula esconsa e faminta, ameaçadora e voraz.
A tua morte é a sorte do xilreu.
Como pitéu de boa mesa, como-te até me saciar.
O demo maldito às ordens do meu talher.
Partilho com um Borba branco o teu tão delicioso sabor.
Já não és o que pareces em pleno alto-mar.
E não me enganas tu; prefiro-te ao tofu.
Com o teu mal me regalo eu. Bom apetite.
Fernando Morgado, 62 anos, Porto

SUPER-LULA parece ser aquilo em que te transformaste.
Para mim, és apenas UMA imagem assustadora.
PARECES ter muitos braços e enormes tentáculos.
E sonho que me SUFOCAS com o teu desamor.
Sonho que ME encerras no teu pequeno mundo inexistente.
Já QUASE não rio, não choro e não falo...
Destruíste o meu ESPAÇO e a minha liberdade.
Tenho saudades DE pensar que o amor perdurava pelo tempo...
PRECISO de ti como eras e não mais deste pesadelo!
Isabel Lopo,71 anos, Alentejo

Frase: Mãe, foste o meu porto de abrigo, agora és uma super-lula!
Super-lula, és minha esponja.
Uma esponja que me absorve nesses tentáculos,
Foste, és, serás sempre minha Mãe, a minha super-lula!
Agora já não estás, no céu vejo constelações de super-lulas…
Estrelas como abrigo em dias cinzentos,
Nesse céu de esperança de um amanhã melhor.
Olho o porto, os barcos regressam…
Trará o meu uma super-lula?
Não, o meu viaja nos sonhos…
Hoje foste de novo o meu porto de abrigo!
Um beijinho, Mãe, onde quer que estejas…
Helena Pereira, 44 anos, Seixal

Essa cor? Em agosto? Pareces mesmo uma super-lula!
O meu metro e oitenta e a minha pele esbranquiçada fazem de mim uma super-lula.
Eu sei, eu reconheço: ninguém, em Portugal, tem uma cor assim (no pico do verão).
E eu tenho. Mesmo que frequente a praia.
E lá vem: “Pareces uma super-lula, a sério!”
Que raiva me dá o agosto
Em que lei é que diz que temos de ser bronzeados?
Quem é que tem esse medidor da cor?
Essa melanina só traz problemas, mesmo!
Maria José Castro, 57 anos, Azeitão

Desgruda
Frase: Gostarias que te chamasse de super-lula, Sapônico?
Sapônico, vai mais pra lá um pouco!
Até super-lula, é bem menos chato do que tu.
Grude e mais grude, preciso de bem mais espaço e sem babas...
Seria tão bom se tu soubesses esperar que eu te chamasse.
Seria bem melhor te ter ao meu lado, mas sempre sem pressão.
Eu prometo te chamaria e seria bem boazinha!
Bom ter ao lado aquele que queremos, na hora que queremos!
Vamos tentar desgrudar? Gostarias de tentar?
Chica, 67 anos Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

Sempre foste desprovido de intelecto, a tua massa cinzenta era flutuante.
Eras belo na juventude, mas agora és um poço de obesidade.
A transformação que sofreste foi nítida!
Engordaste por causa do tratamento de insulina.
Antigamente, a tua vida social era composta por inúmeras festas, vivias rodeado de pessoas que humilhavas e desprezadas.
Actualmente, cinges-te a esta super-lula disforme! Assemelhas-te a uma bola de basquetebol gigantesca.
Pareces um molengão sonâmbulo... sem neurónios, sem beleza, como vais sobreviver?!
Susana Sofia Miranda Santos, 38 anos, Porto

Que nojo!
Pareces aqueles políticos que só fazem o indesejado, com cara de satisfação.
Uma convencida, de quem ninguém sente saudade e de quem todos querem distância.
Até um animal me merece mais respeito.
Mesmo uma super-lula será menos destrutiva, apesar de ser uma cephalopoda.
Por vezes, me desespero quando começas a dissertar numa demagogia podre.
Não dás nada, porém queres tudo.
Ainda não percebeste que tenho nojo dos políticos como tu?
Desaparece e não voltes aqui nunca mais.
Quita Miguel, 57 anos, Cascais

O que fomos um dia
Sinto o corpo cansado, esgotado até.
Não sei bem, é como se não fosse realmente meu.
Durante as noites, dezenas de fantasmas rodeiam meus pensamentos, impedindo-me dormir.
Ali permanecem teimosamente agarrados aos meus sonhos como braços gigantescos.
Quando acordo, questiono-me se eles também assombrarão os teus sonhos. 
Quero acreditar que sim, que também sentes esta angústia sufocante.
Mesmo que de outra forma!
Preciso saber que também sentes minha ausência, ausência de tudo o que um dia fomos.
Carla Silva, 43 anos, Barbacena, Elvas

Anunciada a boda, ela não conseguiu conter o seu desagrado.
Tragédia! Era desse modo que via o casamento do filho.
Uma raiva surda encheu-lhe a alma, incapacitando-a de ver para além de si.
“Parece uma super-lula, tão possessiva!”, comentavam os amigos.
Acreditava ter sempre razão e julgava-se dona da verdade.
Parecia zangada com o mundo inteiro.
Tudo tinha de girar à sua volta. Em nada cedia, nem na possibilidade de deixar o filho ser feliz! São sortes…
Amélia Meireles, 64 anos, Ponta Delgada

Garota, que se passa contigo? Pareces uma super-lula….
Uma SUPER-LULA, Fátinha, tal e qual…. que raio te aconteceu?
Estás mesmo UMA bolinha, assim redondita….
Estranho, não PARECES preocupada!
Desculpa lá, chavala, CONTIGO as coisas estão sempre a acontecer.
Preocupa-me o que se PASSA, não faz o teu género!
SE não queres dizer, tudo bem; dói cá dentro, apenas.
Ah… como é QUE fui esquecer o convite – vais protagonizar a Rainha Venusiana dos Cefalópodes!
GAROTA, cá a mim, o Spielberg conta tudo. Uiiiiiiiiii, que mazinha és!
Margarida Freire, 75 anos, Moita

EXEMPLOS - desafio nº 122

O mosquito afogado....
Chegou o momento mais importante como Escanção. Toda a sua técnica de decantar um vinho seria apreciado e premiado. Elogiado pela critica, invejado pelos seus pares, nada o iria impedir de brilhar naquele imponente salão Árabe. 
Abriu a garrafa com a técnica perfeita, aguardou para que o néctar produzido por d. Antónia, resultasse na síntese perfeita entre vinho e mel dos deuses.
Segurou no decanter, verteu o liquido doirado, e... não! Um mosquito sedento atirou-se de cabeça!
Alda Gonçalves, 49 anos, Porto

Vingança
Após anos de estudos, a formatura.
Estudos ainda, agora visando concursos. 
Enquanto isso, conseguira emprego num escritório, cujo diretor e dono era pessoa abominável em sua postura arrogante.
Tratava a mim e aos demais como se seus servos fôssemos.
Naquele dia, pediu café com leite, bem quente! Rápido!
Ao servir, vi que um mosquito saltou da térmica e foi junto, afogadinho. Sorri sarcasticamente.
Completei com o café assim mesmo. 
Servi. Pensei:
Ele merecia que fosse uma barata!
Chica, 67 anos Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

Ainda não acreditava naquela noite!
Tinha aceitado o convite da Ana, para jantar, precisava esquecer estes últimos dias, e agora ali estava ela, na cozinha de um estranho, tentando encontrar o que precisava para preparar um pequeno-almoço digno de um príncipe.
Quando Rui se sentou, encantado pela surpresa, viu Maria a desviar o olhar e a corar, foi então que percebeu, havia um mosquito a boiar no leite!
Puxou-a para o colo, apertou-a nos braços e beijou-a.
Paula Castanheira, 53 anos, Massamá

― Bebe o leite, já estás atrasado.
― Não posso, tem um mosquito a nadar.
― Tira o mosquito e bebe.
― E os micróbios que vou ingerir para o organismo?
― Já estou a perder a paciência, se me obrigas ir aí, bebes o leite com mosquito e tudo.
(…)
― Então como correu a aula? O mosquito incomodou-te muito?
-- Aquilo não era mosquito.
― Eu sei, já te conheço de ginjeira. O que tu sabes, já eu aprendi há muito tempo, meu menino.
Natalina Marques, 58 anos, Palmela

É só um mosquito
Ela deixou um berro repugnante, um mosquito boiava no copo de leite que o marido lhe trouxera.
― Ó mulher! Porquê entrar em pânico? É só um mosquito! ― respondeu o marido, esquecendo uma regra usual, "Em boca fechada não entra mosca."
― COMO! Esta casa está inçada destes sanguinários patogénicos.
― Querida, "Em terra de sapo, mosquito não dá rasante", talvez seja por tua culpa, porque nunca teres posto umas redes antimosquitos.
Depois, houve um silêncio horripilante, antes da tempestade.
Theo De Bakkere, 65 anos, Antuérpia, Bélgica

Acordou tarde. Que grande trapalhada. Não dava para tomar o pequeno almoço em casa. Nunca prescinde das suas torradas, umas vezes com aquele doce maravilhoso que a amiga lhe reserva, outras bem untadinhas de manteiga.
Iria lá, à beira do escritório. A D. Irene sabia dos seus gostos e como mimá-la.
Estacionou e a passo largo dirigiu-se à confeitaria. A torrada suculenta ria-se para ele, mas o leite...
Oh! Que pena... um mosquito morto boiava na chávena.
Alda Gonçalves, 49 anos, Porto

Estávamos todos a lanchar normalmente na Madeira. Só que tinha aquele problema... Os mosquitos! Mosquitos a voarem, mosquitos a picarem-me, até que vi uma coisa nunca antes vista...
Um mosquito, gordo, grande e preto E repelente no meu leite!, perceberam bem... no leite! Ele voava perto da minha caneca, então bati-lhe com um garfo! E pimbas caiu no meu leite, coitado... eu tirei-o de lá e ele tentou voar, caiu no chão e o meu cão engoliu-o.
Mariana Martins, 12 anos, Barcelos

Mais uma catástrofe. Como tudo na sua vida, aliás. Estava naquela fase em que nada corria bem, a situação mais trivial ganhava contornos melodramáticos dignos de Shakespeare. Um horror. Precisava de olhar para as situações de outra forma. Ser otimista, era o que mais desejava, mas não conseguia. O mundo conspirava contra si. O universo tinha como missão pintar a sua vida de negro. Era apenas um insignificante mosquito no leite, mas parecia-lhe o fim do mundo.
Sandra Silvestre, 46 anos, Carregado

Genuinamente bom, João Henrique indignava-se perante a perversidade, fosse contra ele, ou contra outrem. Naquele local, atos condenáveis tornavam-se rotina, ocultos por uma falsa solidariedade. Um bobo da corte verbalizava, em alta voz, as diabruras ― algo maquiavélico, sufocante! Um dia, dum jarro de leite, sucederam-se alguns mosquitos. Que nojo! Os prevaricadores não tinham palavras, inquietaram-se, envergonhados. Aquilo, num local tão imaculado! A indignidade foi desmascarada, pois esqueceram-se de triturar os mosquitos, em substituição dos flocos de cereais.  
Laura Garcez, 44 anos, Lisboa

Improviso
A noite foi farra até tarde. Onde dormir? Lembrei-me das barracas de praia. Acordei a precisar de algo reconfortante. Subi a rampa até à rua e entrei na pastelaria. Pedi um copo de leite e uma torrada. Meto a mão ao bolso, não acho a carteira… como fazer? Um mosquito enervante zumbia à minha volta… uma palmada, adeus inseto… então lembrei-me… deitei o mosquito no resto do leite, chamei o empregado… E assim me livrei de pagar.
Domingos Correia, 59 anos, Amarante

O Plínio
Plínio tentou voar mas tinha as asas completamente encharcadas!
Ele estranhara a chávena mudar de sitio, mas estava tanto calor que mergulhou sem pensar.
Apenas percebeu o erro tarde demais, o seu refúgio transformara-se numa piscina e ia morrendo afogado! Ou mesmo queimado!
Só escapou porque a velha senhora o salvou com a colher. Salvar não era bem o termo. Ela quisera esmagá-lo na chávena do leite quente!
Felizmente conseguira escapar ao seu triste e quase eminente fim. 
Carla Silva, 43 anos, Barbacena, Elvas

Era só um mosquito no leite, mas…
... só não perturbou-me muito porque estou de muito bom humor ultimamente, dei-lhe um safanão e ele fugiu depressinha de perto de nós que estávamos a lanchar com amigas. Nada deixou nos abalar, porém ele, não satisfeito, voltou a tentar degustar nosso cafezinho quente em pleno inverno rigoroso daqui no Rio de Janeiro...
Unimo-nos e ele caiu fora definitivamente.
Finalmente tivemos uma ótima tarde e não é qualquer mosquito que vai nos tirar do sério.
Viva a alegria!
Roselia Bezerra, 63 anos, Rio de Janeiro, Brasil

Hoje, durante o pequeno-almoço, um mosquito aterrou dentro do meu copo de leite.
Que desgraça... o meu leitinho ficou arruinado!
Mas não fiquei zangada. Eu adoro tomar banho na piscina do hotel, talvez o mosquito goste de banhos de leite e pensasse estar a aproximar-se da Via Láctea!
Eu adoro leite com mel ou groselha, mas mosquitos não são um tempero que aprecie.
Talvez a Gervásia, a gata do meu namorado goste deste sabor peculiar no leite.
Susana Sofia Miranda Santos, 38 anos, Porto

Socorro, acudam-me, bzzzzzzz.
Não sei nadar, só sei picar, este sangue é muito branco, prefiro sangue vermelhinho com sabor a chicha, ai, só de pensar me dá ainda mais vontade de voar daqui para fora. Vejo através desta parede meia transparente um braço apetitoso, quero chegar-lhe, não consigo.
― Socorro!
― Mamã, mamã, tenho medo deste leite, ele fala.
― Ó filho, dá cá o copo, bebo eu, pronto!
(…)
― Socorro, tenho vozes na barriga.
― Eu avisei-te que o leite falava.
Fernanda Botelho, 58 anos, Sintra 

Todos os dias, sem que a velha Genoveva desse conta, banhava-se no seu leite morno. Não era uma mosquita qualquer. Vaidosa, gostava de preservar a pele sedosa. Enquanto se banhava, bebia um pouco de leite e, no dia seguinte, entre uma colherada e outra, voltava ao mesmo. Naquele dia notou algo diferente. A pele desfez-se. Genoveva misturara água fervente ao leite condensado. Sentia-se desfalecer. Genoveva barafustou. Sentiu-se atirada para o ralo. Era apenas uma mosquita no leite…
Amélia Meireles, 64 anos, Ponta Delgada

Verdadeira Melga
Um mosquito voador
Gostava de arreliar,
Era como um amor
Que se não quer afastar!

Cheirando aqui e além,
Procurava a Margarida
E sentia-se tão bem
Que não via outra saída!

Ora, cheia de picadas,
Ela afastou-o, enervada,
Ele caiu, batendo asas,
No seu leite com cevada!

― E este leite quentinho
Estava tão delicioso!...
Porque persistes bichinho
Tão enfadonho e teimoso?

Estrebuchando a valer,
Ele então falou assim:
― Se me deixares falecer
Nossa História chega ao fim…
Maria do Céu Ferreira, 62 anos, Amarante

O António decidiu passar numa esplanada para saborear um gelado. O gelado caiu e ele ficou ensombrado. Deu graças a Deus, pela queda, o gelado tinha um mosquito Tripaoski, uma espécie rara. Levantou-se furibundo e disse:
― Este mosquito é uma espécie escassa, em gelado é algo nojento!
― O leite usado veio de uma herdade do Rei.
― Não quero saber! Quero uma indemnização. Um mosquito no leite do gelado!
― Usem esse leite e distribuam o dinheiro pela população!
Martim Mendes, 13 anos, Lisboa

Alda Gonçalves ― desafio nº 124

Frase - De qualquer forma pareces uma super-lula, sem dúvida.

Dúvida nunca teve.
Sem nada para fazer durante as férias, só lhe restava inventar histórias.
A da super-lula demorou mais tempo a inventar, talvez por não gostar de lulas à marinheiro.
Uma vez quase sentiu os tentáculos a apertar os dedos enquanto escrevia.
Mais pareces um daqueles contadores de histórias medievais com um chapéu de meia-lua.
A forma de divertir a corte nos salões durante a idade média.
E qualquer um tinha acesso à brincadeira.
De facto!
Alda Gonçalves, 49 anos, Porto

Desafio nº 124 ― és uma super-lula!

Natalina Marques ― desafio nº 124

Frase: ESTÁS ENGANADA, SE ACHAS QUE PARECES UMA SUPER-LULA

O meu sonho, é ser uma SUPER-LULA, viver uma vida feliz, UMA vez que poderia abraçar os que amo com os meus tentáculos.
PARECES admirado com as minhas idílicas, mas sinceras, palavras.
Ris-te do meu sonho, ACHAS descabido, impossível.  QUE é feito do homem por quem me apaixonei?
SE voltasse atrás, enfrentava os medos, lutando pelos meus ideais e sonhos.
Agora não vivia ENGANADA na falsidade das tuas palavras.
ESTÁS satisfeito agora, a verdade dói, não dói?
Natalina Marques, 58 anos, Palmela

Desafio nº 124 ― és uma super-lula!

Alda Gonçalves ― desafio nº 123

Uma fita na cabeça sempre fica melhor que a touca que o tio colocava na cadelinha.
Desde que a bichinha apareceu lá em casa, que é vê-lo em cuidados mil.
Ele que dizia não querer animais em casa, por não ser justo apaparicar um animal mais que uma criança.
Agora é ver a caniche saltar para o seu melhor fato e ele derretido.
Quando descobre que é citado justifica dizendo: é tão meiguinha, que fico sem alternativa.
Alda Gonçalves, 49 anos, Porto

Desafio nº 123 – palavras com letras de justificado

Quita Miguel ― desafio nº 119

Lambe-botas
Porque agora tinha mais informações sobre a nova chefe, tornava-se mais fácil escolher uma prenda de aniversário.
Pouco lhe importava ser apelidado de lambe-botas.
Escolheu os crisântemos mais belos que a florista tinha e entregou o ramo à secretária, já que a chefe estava em reunião.
Assim que ele virou costas, a secretária iluminou a face com um sorriso e escondeu no ramo um alfinete. Era a sua vingança para com o lambe-botas e a nova chefe.
Quita Miguel, 57 anos, Cascais
Desafio nº 119 ― crisântemo + alfinete

Faça aqui o download do conto «Sonho Esventrado» https://www.smashwords.com/books/view/595005

Maria do Céu Ferreira ― escritiva nº 22

Flagrante
De mochila pelas costas
Passou no meio da gente…
Pegou em sacos de tostas
Para pagar mais à frente!

De soslaio, o merceeiro
Topava-o com atenção:
A mochila era o celeiro,
Somente tostas na mão!...

O artista experimentado,
Ia pegando à vontade,
De mansinho, com cuidado,
Sentia-se em liberdade!...

À hora do pagamento
Eram tostas a pagar…
Não previa o contratempo
Da mochila esvaziar.

Depositou no balcão
Os produtos camuflados…
Saiu todo fanfarrão,
Nós, à volta, envergonhados!...
Maria do Céu Ferreira, 62 anos, Amarante
Escritiva nº 22 ― apanhado em flagrante