30 abril 2017

Elisabeth Oliveira Janeiro ― desafio escritiva nº 19

A Arca do André
Corria um ano da graça do século vinte, numa vila do Porto, berço do Infante, o Navegador... No quarto de solteira da irmã do nosso herói, havia uma mala misteriosa, que ia guardando o bragal,
bordado por hábeis mãos. Envernizada, era linda e sabia-o.
Anos volvidos, impiedosamente, sótão com ela.
Tristinha, renasceu quando André afanosamente a repescou.
Passou a ser a orgulhosa depositária das alfaias do André para as suas engenhocas. E que belas surpresas dali saíram!
Elisabeth Oliveira Janeiro, 72 anos, Lisboa

Desafio Escritiva nº 19 ― vidas passadas de objetos

Sem comentários:

Enviar um comentário