04 março 2015

O palhaço

Todos os dias muda de MÁSCARAS. Umas riem, outras choram, mas o único propósito é divertir o público. Ele não é ninguém...
Nessa noite A TORMENTA é assustadora. Chega tarde, amargurado, mas as MÁS CARAS do patrão não o afetam. Avança lentamente, os passos contados, sentindo apenas o coração que o ATORMENTA. Arranca a máscara e deixa cair duas lágrimas. O público ri, tudo é espetáculo. O Palhaço sai. Desta vez, com uma dignidade que o surpreende...

Isabel Lopo, 69 anos, Lisboa

Desafio nº 85 – expressões homófonas

Sem comentários:

Enviar um comentário