17 dezembro 2014

Nas brumas do invisível

Nas brumas do invisível
Nos tesouros dos mistérios
Caminhamos na estrada da Vida
Em encruzilhadas sem critérios;
Avançamos e, quase felizes,
Tocamos o cume da montanha do viver;
Recuamos, e ainda felizes,
Descemos aos vales do ser;
E nesta eterna viagem
Alcançamos a felicidade
Num sempre muito pequeno micro-tempo
E dormimos ao relento
Na preciosa fidelidade
Do sabor dessa liberdade
E aí,
Como pássaros petizes
Somos quase felizes
Num sempre muito pequeno lugar
Para partilhar...
Para amar...

Ana Mafalda, 44 anos, Lisboa

Desafio nº 79quase felizes, num sempre muito pequeno

Sem comentários:

Enviar um comentário