27 novembro 2014

Reviver

Revivo.
Uma alegria efémera,
uma memória feliz,
um dia de alegria inebriante:
o brinquedo querido há um ano,  agora ali. Meu.
Uma mágoa: roxa, negra e dorida,
uma borbulha horrível, no nariz deformado;
a gordura invadindo-me a alma,
a voz aguda da menina da vivenda do lado
– a minha barbie é linda, elegante. A menina é feia e balofa.
Uma lágrima foge,
a memória dói.
Fujo.
Não quero relembrar, nem reviver.
Finjo que fui feliz.

Maria José Castro, 54 anos, Azeitão

Desafio nº 78 – escrever sem C P S T

Sem comentários:

Enviar um comentário