25 novembro 2014

Loenda

Que maravilha quando a Lua dá luar!
Que fulgor lembra a onda ao germinar!
Que alva nuvem não arma hábil leveza?
Que rubra lava não é afervorada beleza?
E aquela amendoeira de renda de enxoval?!
E aquele limoeiro ornado de verde real?!
Há que bendizer o grado dia alumiado.
Há que louvar o fúlgido alor dourado.
A bondade de mãe de mão fagueira.
A bonina de abelha na flor ligeira.
Adágio, ou rifão
Nada aflui em vão!

Elisabeth Oliveira Janeiro, 70 anos, Lisboa

Desafio nº 78 – escrever sem C P S T

Sem comentários:

Enviar um comentário