22 novembro 2014

Fraude diz ela!

Viajar na luz, ver o azul do dia, o brilho que emana do luxo, na rima: riqueza dá beleza.
Adorno vulgar da prole, que a árvore gera em magna vida. Favorável e de favor, longa é a fila que gere.
Um dia, na malha da lei, o furor afundou. Nem lua, nem luar no morno guindar da ilharga. Largar o avião e aguardar no inferno, a moral do reino. É alvorada e frio lá fora. Que mau!
Alda Gonçalves, 47 anos, Porto


Desafio nº 78 – escrever sem C P S T

Sem comentários:

Enviar um comentário