24 novembro 2014

Assassino

Comeu do prato em que todos comeram. Não sei o que o levou optar pela tora, agora a sua vida mudara. Seguiu nova rota, alistou-se na tropa. No seu coração não mora a piedade ou misericórdia. O seu amor  próprio é tudo o que lhe resta. Como um ator recita de cor os versos sagrados, um maníaco, fundamentalista religioso. Pega na arma, afasta o ramo. Atira sem piedade, sem olhar a quem. Mata como um assassino fanático.

Constantino Mendes Alves, 56 anos, Leiria
Desafio RS nº 14 – três trios de palavras em anagrama

Sem comentários:

Enviar um comentário