30 novembro 2014

A bem da gente

Uma estrada estava a irritar as gentes. Cruzava a aldeia pela metade. Visivelmente irritadas vieram à câmara gritar: “Que se passa?” “Que presidente permite este ultraje?”. Aldeia pela metade, devia separar-se a gente em duas partes? Uma aldeia é uma unidade indivisível! “É para bem da terra!”, sustentava a presidente. Maria já tinha mais de 80, sabia da vida: “Gente que manda é assim, dizem que fazem a bem da gente mas, se lhe tirarem a gamela…

Constantino Mendes Alves, 56 anos, Leiria

Desafio nº 76 – escrever sem a letra O

Sem comentários:

Enviar um comentário