20 outubro 2014

A minha mãe

A mãe da minha mãe, quase centenária (mas tem iPad) vivia numa aldeia tão vazia que na tarde já nada se faz na rua, nem uma gatinha a espreitar, apenas a ventania persistente que bate às persianas.
De repente, uma chamada terrificante.
Alguém diz tristemente: – Em breve, rachar-te-ei em dez peças!
A mãe da minha mãe, titular de fazer malha, ficara apenas intimidada e gritara:
– Já sei, espécie de imbecil grande, em breve é dia das bruxas.

Theo De Bakkere, 61 anos, Antuérpia, Bélgica

Desafio nº 76 – escrever sem a letra O

Sem comentários:

Enviar um comentário