31 julho 2014

Ilusão

Acordei cedo.
Invisível, mas acordei.
Mansamente, soprei-lhe ao ouvido.
Oportunidade única para me aproximar.
Tanto gostaria de reatar laços desatados!
Pousei-lhe terno e frágil beijo no pescoço.
Estremeceu, tocado por essa brisa imaterial, levemente soprada.
Foi como música que lhe fez dançar as emoções.
Sonhei ou delirei quando flutuámos, ambos, nas nuvens de seda?
Atravessámos fronteiras, entre o céu e a terra, e acordei definitivamente.

Tão amarga se tornou a fantasia, em fumo se desfez minha ilusão!

Ana Paula Oliveira, 53 anos, S. João da Madeira 
Desafio nº 71 – frases de 2 a 12 palavras


Sem comentários:

Enviar um comentário