20 março 2014

O transístor e o relógio de bolso

No velho sótão, numa prateleira cheia de pó, o transístor e o velho relógio de bolso conversam.
– Transístor, já viste o desprezo que nos deram? – diz o relógio triste e choroso.  –  A minha corrente brilhava, acertavam-me os ponteiros e agora…
– Pois sim, velho relógio, com tanta modernice, acabámos aqui. Vês, os meus botões? Estão baços, cheios de pó, mas as modernices também avariam e quando isso acontecer, estaremos aqui para ver como ouvirão os desafios da Margarida.


Isabel Branco, 53 anos, Charneca de Caparica
Desafio nº 62 – dois objectos, numa prateleira cheia de pó, conversam

Sem comentários:

Enviar um comentário