21 fevereiro 2014

IsolamentoIsolamento

Pintou as janelas, deu cera nos corrimões da escada e pendurou os reposteiros. 
Com afinco dedicou-se ao trabalho exterior, aquele que a preenchia. Cuidou do jardim. Plantou flores, varreu folhas velhas e oleou a cancela.
Quando terminou, a noite era sua companheira, limpa e demasiado fria. Agasalhou-se, olhando a placa que daria a conhecer quem ali se isolava. 
Tomou a única decisão possível. O apelido ficou preso no arame farpado, indicando que aquele espaço era só seu. 

Quita Miguel, 54 anos, Cascais

Desafio nº 60 – apelido preso no arame farpado (frase obrigatória)

Sem comentários:

Enviar um comentário