18 dezembro 2013

Paixão e Irão

Apesar de não poder expressar frontalmente a imensa alegria que sentia ao ver o amor da sua vida olhar com compaixão Anita, a jovem paciente, deixou escapulir uma pequena lágrima de felicidade. Contara-lhe na noite anterior que a mesma estava paraplégica devido ao ódio cego dos fanáticos religiosos da sua aldeia, muito perto de Masouleh. Não compreendiam que a paixão que a adolescente tinha pelo estrangeiro era pura. Era uma tristeza, a falta de liberdade no Irão!

Teresa Cabral Küffer, 39 anos, Zurique, Suíça

Desafio nº 45 – emoções por ordem alfabética (nesta caso, baralhadas)

Sem comentários:

Enviar um comentário