25 dezembro 2013

O Natal do Frik

Frik estava desconfiado. Afinal, aquilo entrara sem pedir licença, motivara grandes festas, ficara enfeitado como um rei e, agora que se chegava a ele, não lhe dirigia a palavra. Nem parecia dar pela sua presença. Ora, como cão inteligente que era, Frik resolveu falhar-lhe com voz grossa, a usada para afugentar ameaças aos donos. Rosnou-lhe, avançou, ladrou e… Zás! Aquilo atacou-o. Frik fugia agora a ganir, levando a memória da picadela de agulha de pinheiro no nariz!

Margarida Fonseca Santos, 53 anos, Lisboa
(em memória do verdadeiro Frik, ilustrado pela Carla Nazareth a partir de uma fotografia)

Sem comentários:

Enviar um comentário