25 outubro 2013

A outra metade

Minhas imperfeições são perfeitas: neste meio termo, nestas palavras que refutam a alma perdida de quem vive num silêncio aterrador. A verdade consome os últimos raios de luz e a crueldade trespassa-me num só suspiro. Dei ouvidos ao coração, perdoei o impensável, fiz da vida um ponto de recomeço. Na loucura e inquietude do amor, construí-me! Não sou de prata, muito menos de ouro: sou um meio termo, um meio coração, porque a outra metade é tua!

Ana Sofia Cruz, 15 anos, Porto
(história sem desafio)

Sem comentários:

Enviar um comentário