14 maio 2013

Memórias…


As vidraças tiniam, iluminando-se quando o monstro urrava. As garras arranhavam a porta pesada, chocalhando ferragens oxidadas. A língua gélida passava pelas frestas e lambia-nos os tornozelos. Eu perscrutava o rosto da minha mãe, concentrado nos alinhavos, tentando decifrar alguma expressão de alarme. Encolhida, mudava os vestidinhos de papel às bonecas de cartolina.
Então, a mãe rodou o botão do velho rádio. A música do “Serão para trabalhadores” banhou de luz a cozinha acanhada. O monstro morreu!

Maria José Castro, 53 anos, Azeitão

Sem comentários:

Enviar um comentário