30 maio 2013

Leituras

Era o fim de tarde. Trovejava e o mar batia furiosamente nas rochas. Parecia que se tratava de um confronto entre Zeus e Poseidon. Eu, para não estragar os meus livros, cobri-os com a minha longa samarra e corri para a taberna. Sentei-me na mesa mais ao canto, pedi uma bebida e, ao calor e luz da lareira, comecei a ler: criaturas estranhas, guerra e um misterioso homem que roubava a realeza para beneficiar os pobres apareceram-me.

Tony Moreira, 19 anos, Vieira de Leiria, professora Helena Frontini
(a propósito de “O Memorial do Convento”, de José Saramago)


Sem comentários:

Enviar um comentário