10 março 2013

Sem mentir


E, sem sentir que o suficiente tivesse sido o que de menos quis, dei por mim seguindo o mesmo trilho, o dele, o do costume. Que desnorte que se prendeu no meu espírito! Que jeito, sem jeito, se emoldurou no horizonte onde me encosto, perguntei eu? 
Tudo sem sentir, enormemente, o que de mim brotou, se conveio no certo que é este sentir quieto: preso e inerte e estendido, como o volúvel reviver dos tempos vividos, esquecidos. 

Carolina Cordeiro, 34 anos, Ponta Delgada

2 comentários: