19 fevereiro 2013

Só nos resta ralhar


Quis passar ao largo do ombro que me oferecias para me consolar. Ou seria apenas para me distraíres do que acontecera? Querias que tentasse esquecer o que de simples passara a improvável, as frases sem esquinas que se haviam transformado em atrapalhações, os sítios onde já não cabíamos. Quisemos ser pacientes, sem sucesso, arrastando assim connosco o que procurávamos contar. Agora só nos resta ralhar, pois nunca soubemos aconselhar e não nos conhecemos o suficiente para recomeçar.

Margarida Fonseca Santos, 52 anos, Lisboa

4 comentários:

  1. Cristina Lameiras19/02/13, 16:47

    Neste pequeno texto nota-se a diferença entre uma escritora e uma aprendiz (eu).
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem diga uma coisa destas! A sério, isso não conta mesmo... Um grande beijinho

      Eliminar
  2. Nota-se, nota-se :) e ainda bem porque é assim que aprendemos todos! :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora, não é nada...
      O que eu gosto é de vos ver todos a participar!
      Beijinhos enormes

      Eliminar