27 fevereiro 2013

Poisando devagar


A noite vem poisando devagar e a leve brisa traz-me a sensação de ti, a vontade imensa de respirar os gestos e os dizeres que te pertencem. Sinto ainda os teus lábios nos meus e o calor do teu abraço. Só os meus olhos não vêem os traços do teu rosto, o respirar do teu dormir. Mas ouço ainda o riso largo da felicidade e as palavras esgotam-se, agora, que o silêncio é um mar sem ondas.
A noite vem poisando devagar - Noite de Saudade - Florbela Espanca
agora, que o silêncio é um mar sem ondas - Súplica - Miguel Torga

Sandra Évora, Loures

Sem comentários:

Enviar um comentário