20 fevereiro 2013

Não me digas adeus

Que impressão por dentro do meu sentir cego 
por medo das artes de ignorar…
Não me digas adeus, ó sombra Amiga que Sorris!
Não porque te Gosto. 
Não porque confesso das Saudades, 
da falta que Sinto do teu cuidado e de um Tempo Nosso que nunca existiu. 
Inventa comigo um qualquer Futuro: 
de Sorrisos, de Silêncios em Palavras, Rabiscos, Caminhadas… de Abraços.
Estou Grata por ter comigo o Teu Sorriso.
Não me digas adeus, ó sombra Amiga 

Rita, 36 anos, Carcavelos 
---------

Citações:

“Que impressão por dentro do meu sentir cego” in Ana Ventura (2009). «Paralelo». Tracejado. Editora Inverso da Capa. 
“Não me digas adeus, ó sombra amiga” in Florbela Espanca (2002). «Espera…». Florbela Espanca: Sonetos. Bertrand Editora.

Sem comentários:

Enviar um comentário