28 fevereiro 2013

Harmonia


– Mas que ideias tão extravagantes! Deles tudo se pode esperar – critiquei.
– É bom ser-se livre. – A minha irmã sempre foi liberal.
Havia uma quantidade de coisas que poderia ter dito, mas limitei-me a um:
 – Estou a ver.
Ela emitiu um riso abafado como sepor alguma razão inconfessável, estivesse satisfeita. Depois ficou a olhar Laskell e aquele figurino indubitavelmente excêntrico. Mas, assim que Elsa se atracou ao estrangeiro e saíram de braço dado, perdeu o luminoso sorriso.

Quita Miguel, 53, Cascais

D. H. Lawrence, in St, Mawr e Outros Contos – “A Harmonia” - E Elsa Laskell ficou satisfeita por se ver livre deles.




Sem comentários:

Enviar um comentário