24 setembro 2012

E que rombo...!


– Amanhã, o mais tardar teremos que tomar uma decisão definitiva.

Dito isto, aproximou-se de Cecílio e pousou-lhe a mão no ombro. Aquele rombo nas finanças não estava previsto.

O negócio, que passara de geração em geração, estava ameaçado, de forma irremediável, pelos hipermercados que iam abrindo, uns ao lado dos outros.

Quem tinha dinheiro abastecia-se agora nas grandes superfícies e o mercadinho ficara como fornecedor dos que compram fiado, com um rol que não havia como manter.

Quita Miguel

Sem comentários:

Enviar um comentário