27 maio 2012

mais desafios nº 6...


De dia, viam-se pouco, mas bastava um pensamento sobre as noites que transcorriam lado a lado para sorrirem. Guiados pela batuta perspicaz do maestro Ladeiro, a orquestra ensaiava, para afastar o estigma da derrota no festival do Outono. Desembainhavam-se arcos, afinavam-se sopros, exercitavam-se dedos. A melodia enchia a sala e irreverente saía para a rua.
Tudo parecia perfeito no ensaio, no entanto para Carmen algo faltava. De repente percebeu o quê. O calor dos aplausos.
Quem diria…!
Quita Miguel, 52 anos, Cascais


De dia, viam-se pouco mas isso não importava.
Ela esperava ansiosamente que a noite chegasse e o encontro era mais intenso. Os seus afazeres profissionais não lhe permitiam que se cruzassem mas, assim que entrava em casa, depois de um dia de trabalho cumprido (e comprido!), logo ela se lhe dirigia, numa enorme vontade de lhe tocar, de o afagar, de o possuir até se cansar. E pensar que, há bem pouco tempo, detestava computadores! Quem diria...!
Ana Paula Oliveira, S. João da Madeira

O GRILO E A CIGARRA
De dia, viam-se pouco. Ele trabalha de noite e com o Sol dorme, ela de dia e com a Lua adormece. Nunca se encontravam, pois da aurora ao entardecer ela faz a chinfrineira, ele, do anoitecer ao amanhecer. Era assim a vida da cigarra Justina e do grilo Justino. Até que certa vez, ele coloca-se a seu lado e sem cerimónia solta a goela. Justina despertou e irritou-se, mas ao invés de o expulsar, apaixonou-se. Quem diria!
Maria Jorge

E uma sem desafio:

Foi ontem, hoje, aqui estou a dizer-te que te vi pelo encanto do que me escreveste sem registo, do que me disseste sem falar, do que me desenhaste sem nenhum risco... e, tudo vejo sem estar em nenhum espaço físico. Registo em mim, nos recantos de não sei de quê nem de onde, o que fica guardado e, de vez em vez, partilho por aqui, no ali que sou, no acolá que gosto de ser, sendo eu.
Lucrécia Alves

Sem comentários:

Enviar um comentário